Ler mensagens sem resposta | Pesquisar por tópicos ativos Bem-vindo: Sex Nov 27, 2020 6:50 am



Responder  [ 99 mensagens ]  Ir para página 1, 2, 3, 4, 5 ... 7  Próximo
Moto viagem ao Atacama de Lander / março 2010-Diário 
Autor Mensagem
Microlander
Avatar do usuário

Registrado em: Ter Out 06, 2009 9:40 pm
Mensagens: 246
Localização: Canoinhas - SC
Sexo: MASCULINO
Moto: Outros Modelos
Marca de Capacete: LS2 386 Matt Black
Diário viajem Deserto Atacama-Pacifico - 12/03/2010

José Luiz e Márcia Lacowicz
Moto Yamaha XTZ Lander 250cc

Neste mesmo "post" (seguindo a página depois do relato) tem muitas fotos da motoviagem.

Dia 12 – Canoinhas – Curitiba - 180 km
A nossa saída foi do Novo Posto Contestado, que foi o marco zero da viagem, na presença do mano Altair, que foram um dos patrocinadores da viajem. As 13:00 foi abastecida a Lander e com minha esposa partimos em direção à Curitiba, para a festa do 16 anos de minha filha Melissa. Troquei reais por U$ 500 em casa de cambio da Galeria Tijucas devido ao Banco do Brasil já estar fechado e comprei na Vargas Motopeças um intercomunicador, que não funfou. Na volta a empresa foi muito prestativa e devolveu o dinheiro. Procurei nas principais motopeças de Ctiba um pinhão de 13 dentes passo 520 e não encontrava nem em autorizadas. Na Hilton Motos em Canoinhas, ao fazer a revisão para a viagem com 13.500 km foi constatado desgaste no pinhão original, e não tinham o pinhão de 13 dentes. Como queria reduzir o giro do motor nas retas do Chaco Argentino, já estava tentando encontrar um pinhão de 14 dentes, mas que ainda não existia no comércio. O prestativo mecânico Marcos da Hilton Motos conseguiu um de 15 dentes de outra moto e levou até um torneiro em Canoinhas, que cortou o miolo do original desgastado e soldou no de 15 dentes. (R$ 50,00 torno mais 50 do pinhão de 15). Na ida para Curitiba, com bauleto grande, dois alforges, meus 95 kgs mais os 50 kgs de minha esposa, e a moto não desenvolvia em 5ª marcha, forçando o motor mais do que com pinhão menor. Também troquei a vela, que tava com 5.000 km e levei a usada junto, bem como uma lâmpada reserva, graxa branca pra corrente, emenda de corrente e o pinhão de 15 dentes. (É a lâmpada original de 35 watts, pois já tinha trocado há muito por uma Motovision de 65 wats da Philips)

13 – Curitiba – Concórdia – Percorridos 430 km.
Saímos às 8:00 e procuramos em outras motopeças da Rua João Negrão e finalmente encontramos o pinhão de 13 dentes em outra concessionaria. Pasmem, pediram R$ 158,00, dizendo que era “original”. Quando objetei que era da Riffel e encontra por menos de R$ 40,00 deram um desconto de 12%. Vou reclamar na Yamaha esse “assalto”, que por azar meu não tinha nessa data no paralelo em Curitiba. Fui obrigado a colocar esse salgado pinhão. Saímos de Curitiba para a viajem às 11:00, com destino a Piratuba, mas devido a chuva e começar a anoitecer pernoitamos em Concórdia no excelente Hotel Colina Verde, por módicos R$ 78,00 para casal.

14 – Concórdia – Passo Fundo
Deixando o hotel depois de um excelente café com muitos sucos naturais e salames tipo italiano, nos dirigimos a fronteira com o Rio Grande do Sul, em uma região em que eu e minha esposa não conheciamos. Próximo ao meio dia em Passo Fundo quebrou o rolamento direito da roda traseira, ainda bem que a três quilômetros da cidade. O problema que era domingo e havia uma competição de motocros em uma cidade vizinha. Resultado. Não tinha nenhum mecânico de moto na city. Tivemos que pernoitar em Passo Fundo e no outro dia de manhã fui muito bem atendido em duas motopeças próximas a rodoviária, que providenciaram os dois rolamentos por R$ 20,00 o par. Já levei mais um de reserva, eh, eh. Depois fiquei sabendo em Canoinhas pelo mecânico Marcos que a Lander do amigo Hélio, que também costuma viajar também tinha quebrado o rolamento trazeiro com baixa quilometragem. 150 km percorridos – Hotelzinho próximo rodoviária 60,00

15 – PF – São Borja – Missões – 420 km
Depois de trocados os dois rolamentos traseiros pelo mecânico …. saímos às 11:00 em direção a fronteira com a Argentina. Sempre tive curiosidade e tiramos um tempo para visitar as ruínas de São Miguel das Missões. É um capitulo especial da humanidade e histórico de três nações (Brasil, Argentina e Paraguai). Distante 18 km da Rodovia, valeu muito a pena conhecer. Realmente impressionante a imponência das construções e a organização das missões. A nossa história perdeu muito com a politica de destruição das missões executada pelos portugueses e espanhóis. Também passamos por um deposito particular de material militar à beira da rodovia, onde existem M41, obuseiros, blindados, caminhões e jipes militares da 2ª Guerra. O cara curte a beça esse tipo de material. Chegamos no início da noite em São Borja e ficamos em um hotelzinho no centro, por R$ 50,00 o casal. Foi difícil encontrar janta, ficamos com um lanche.

16 – SB – Machagai – Hotel Le Park – 640 KM
A ponte de acesso é muito bonita, com mais de um quilometro e a passagem pela aduana Argentina foi rápida, sendo as policiais muito atenciosas. Adquiri a Carta Verde por R$ 25,00 reais na própria aduana (custa mais de R$ 150,00 nos bancos Brasileiros) e dormi no ponto não trocando cambio por pesos ali mesmo, pois havia Banco do Brasil. Somente anotaram o passaporte e os documentos da moto. Partimos em direção à Corrientes pela Ruta 14 e 106 e fizemos 90 km a mais até Posadas, quando poderiamos ter pego um desvio pela ruta 120. Entrei na cidade e comprei pesos na aduana com o Paraguai, abastecemos a boa e barata nafta argentina (R$ 1,55) e almoçamos uma parrila (cara, por 75 pesos com refri para dois = R$ 37,00). Notamos que para Brasileiros o preço aumenta muito, então o ideal é procurar locais onde haja cardápio com os preços. É excelente tratamento do povo e da gendermaria (polícia) para com os Brasileiros e motoqueiros. Seguimos pela ruta 12 até Corrientes e pegamos a ruta 16 através de Resistência, que são cidade que nos surpreenderam pelo tamanho. Muito pasto e criação de gado. Retas que não acabam mais. Entramos no chaco argentino, que é uma região pobre e pouco desenvolvida. Anoitecemos e não encontravamos um hotel com colchões decentes, sendo de espuma muito macia. Na porta de uma empresa procuramos ajuda de dois argentinos, que conheciam as praias de Santa Catarina e nos ajudaram muito, reservando um excelente hotel uns 20 km a frente, com ar condicionado central, cama box, etc por cem pesos para Casal = R$ 50,00. No restaurante do hotel comemos muito bem e desmaiamos depois de uma ducha.

17 – Machagai - San Salvador de Jujuy – Hotel Fenicia – 700 KM
Partimos cedo continuando pela ruta 16 e entramos fundo no chaco Argentino. Muito calor, mais de mil quilômetros de terreno totalmente plano e retas de 30 a 50 km de extensão. Atropelamos dois grandes pássaros que estavam na estrada devorando milhares de gafanhotos. Fomos parados nesse trecho duas vezes pela gendermaria, uma vez sendo mordidos pedindo uma coca-cola (olha que eles mereciam pelo calor), mas já tinha separado doze pesos no bolso da calça = R$ 6,00 e na segunda vez somente anotaram os passaportes, não pedindo mais nada, sendo muito corteses. Há um trecho de 400 km que não tem a nada a não ser alguns casebres (pueblos) e um posto de gasolina a cada cem quilômetros. Passamos por “Rio Muerto”, “Pampa del Inferno” e outras localidades do gênero.
Ficamos felizes aos ver os primeiros morros próximo a Salta e passamos pelos únicos trechos ruins de estrada que encontramos na viagem, mas estava sendo recuperada. Adentramos a ruta 9, excelente rodovia, passamos ao lado de Salta e seguimos até San Salvador de Jujuy, onde chegamos no meio de uma manifestação do Tupac Amaru (O PT de lá), policia, cães policiais, uma beleza, eh, eh. Os hotéis estavam lotados e conseguimos o hotel Fenicia, quatro estrelas, com a surpresa de R$ 90,00 para casal se ficássemos dois dias, com banheira de hidro e tudo o mais. Como a Márcia estava cansada, com assaduras devido à napa do banco e do calor, aproveitamos pra curtir as férias nessa cidade linda. As assaduras são facilmente evitáveis com a utilização do talco Polvilho Antiséptico Granado tradicional (frasco marron) que se encontra em qualquer farmácia. É receita da vovó e funciona bem melhor que o hipoglós. Tem motoqueiros que chegam a comprar pele de carneiro para colocar em cima do banco para não assar no deserto. O talco resolve bem melhor e mais barato, basta passar nas áreas em contato com o banco desde o início da viagem, assim como fazem com bunda de neném, eh, eh.

18 – San Salvador de Jujuy
A minha esposa é uma excelente costureira e buscamos roupa segunda pele para frio em Curitiba, custando até R$ 300,00 uma camiseta e ... Ela comprou o tecido e fez segunda e terceira pele para nos dois com apenas cem reais de tecidos, mas em Jujuy o preço dessas roupas era ainda mais barato. Roupas para frio de excelente qualidade e uma fração do custo do Brasil.
Para facilitar ainda mais a vida dos motoviajantes, o povo argentino no norte tem o costume da “siesta”, ou seja, trabalham das 07:30 às 12:00 e a tarde das 17:00 às 22:00, devido ao calor. Assim para quem viaja as lojas estão todas abertas a noite para a compras. As mulheres é que gostam, eh, eh.
Na verdade deveria ter levado somente a roupa do corpo e iniciado a viajem a partir de Foz do Iguaçu, onde um traje de cordura de ótima qualidade estava R$ 375,00 a jaquela e a calça com todas as proteções necessárias. Comprei bota de motoqueiro por R$ 90,00.


19 – Jujuy – San Pedro Atacama – 486 km
Partimos na manhã do segundo dia e na ansiedade esqueci de fixar o bauleto, que se não fosse pelo esforço da minha esposa teria caído e quebrado pelo peso. Pegamos a ruta 92 em direção a Purmamarca, abastecendo novamente em Volcan, a apenas 60 km, pois o próximo posto estava somente a 180 km, em Susques, no alto dos Andes.
É a partir de Jujuy que surge a parte sensacional da viagem, que inclusive é patrimônio natural da humanidade. As curvas iniciam no acesso a Volcan, os rios praticamente secos dos andes e as pedras coloridas de Purmamarca.
A partir daí chegamos aos Andes, com sua fantástica subida (caracoles) e visão dos andes. La em cima inicia o frio e reduz a quantidade de O2. Pareceu-me estranho encontrar algumas mulheres em um pequeno abrigo de pedra ao lado da estrada vendendo artesanato. Só muito depois me toquei que o principal produto é a “folha de coca”.
Chegamos rapidamente ao primeiro salar, entramos nele de moto, com bastante medo da Márcia. Também tem estatuas e casa de sal. É muito branco. Perde-se de vista sua extensão, com muitos caminhões tirando sal.
Em Susques a 220 km de Jujuy tem dois postos (na verdade duas bombas de gasolina) e dois bons hotéis. A cidade é um verdadeiro “cisco”. Quem for lá vai entender. Um bom restaurante. Evite comidas fortes. Beba bastante liquido. Não tome leite ou derivados antes de subir e em altitude. Provoca vômitos. Pode usar cafeina a vontade ou energéticos.
Mais cem quilômetros de lindas paisagens semideserticas e vem a aduana Argentina. Muitas pessoas na fila que estavam em dois ônibus de linha. Eu percebi uma aceleração do batimento cardíaco e da respiração. A Márcia foi tomar oxigênio na enfermaria ali mantida pelo Governo Argentino e depois foi conduzida por um policial até o vendedor de folha de coca. Com medo ela comprou uma coca-cola, eh, eh. Como o policial insistiu para que ela pudesse respirar melhor, eu “seguindo a orientação da autoridade”, adquiri a “folha”. Tem um gosto bem amargo, mas funciona muito bem. Tinha uma leve tontura, que logo passou.
O trâmite na aduana é complicado, mas foi rápido e o pessoal bastante atencioso.
Continuamos subindo agora na parte chilena dos Andes, até chegar a altitude de 4.250 metros de altitude. Alguns quilômetros depois da aduana tem um local para tirar fotos, com excelente vista, com água salgada, algumas algas e lhamas. Quem for de barraca deve ser um excelente lugar para acampar.
Agora inicia o deserto. Nem uma planta viva, até o pacifico.
Encontramos nesse trecho um casal de bicicleta. Sem nenhum veículo de apoio. Cada um tinha dois grandes alforges na sua bike. Pernoitavam no frio do deserto, levando barraca, colchonete, água e comida. Quem me diz agora que não dá para viajar de barraca e com moto de baixa cilindrada nos Andes?
Próximo a San Pedro de Atacama inicia a descida, com cerca de 50 km de declive. A Aduana chilena é burocrática, mas o atendimento é bastante eficiente.
Declarem tudo o que estão levando. Se algum produto não possa entrar eles vão reter. Mas se não informar e eles pegarem o produto na revista, você não entra no Chile.
San Pedro é uma cidade turística. Casas de barro com excelente qualidade de serviço. Nesse pequeno vilarejo no meio do deserto, onde não chove há cinco anos você encontra pessoas do mundo todo. É um lugar caro. Pagamos 65 reais num quarto com banheiro coletivo. Faltava hospedagem. Tem de tudo, até várias casas de cambio. É inacreditável o que você encontra lá, apesar da aparência de ser uma pequena favela. Perto da praça central vendem frango assado e refrigerantes. O resto da alimentação é bastante caro. Tem hosteling Internacional e camping.
As atrações lá são muitas: Arqueológicas (mumias), pucarás (fortalezas de 1000 AC), Geisers (fica a 90 km de estrada de chão), salar, etc. Tem excursões dali até o maior salar do mundo na Bolívia, que fica ao lado.
Encontramos um casal de mochileiros de Porto Alegre, mas todos nós estávamos cansados. Tinha uma XT660 de uma cidade do norte do Paraná no hotelzinho, mas não cheguei a encontrar o colega.
Dormimos mal. Colchão de espuma de baixa densidade.

20 – SPA – Antofagasta – 320 km
De manhã consegui me perder em San Pedro de Atacama. É um labirinto de pequenas ruas. Foi difícil encontrar o posto de combustível, que fica no meio da cidade dentro de um hotel. Pode!
Depois partimos para conhecer a região e seguimos para Calama, passando pelo Vale da Lua.
Almoçamos no shopping em Calama, que é um oasis no meio do deserto. Dentro do mercado existe um restaurante e no mercado inclusive assados de pollo (frango) e pernil de cerdo (suíno) cozido. As frutas são lindas e muiiito baratas. Os sucos naturais em embalagens longas vida deliciosos e muito baratos.
Fascinante o interesse que os chilenos tem por camionetes de luxo.
Nos 220 Km até Antofagasta é só deserto, calor, minerações e vento, principalmente a tarde.
Impressionante como o deserto segue até o oceano pacífico.
A cidade portuária é verdadeiramente linda e muito limpa. Ficamos em um hotel de frente para o mar, a 78 dólares para casal, com banheira. Lindo. Queria trocar de óleo na valente Lander, mas a concessionaria yamaha tinha falido. Somente no outro dia notamos que somente vimos 5 motos na cidade, e delas três no estacionamento do shopping.
A XTZ 250 Lander é verdadeiramente uma excelente motocicleta. Funcionou muito bem mesmo a mais de 4000 mts de altitude, muito confortável, macia e com um motor notável. Eu peso 95 kgs, minha esposa mais 50 e tínhamos um bauleto grande e dois alforges lotados. Fez uma media de 28 km por litro, sendo que em nenhum momento menos de 25 km/l. Mesmo sendo de baixa cilindrada chamou a atenção por onde passamos.
O banho de mar quase virou o único acidente da viajem até aqui. Iria mergulhar em cima de uma enorme água viva, e havia mais meia dúzia delas por ali. Água muito fria, brrr.
Vimos muitas barracas de chilenos acampados na praia, no centro da cidade.

21 – Antofagasta – Calama – 360 km hotel próximo aeroporto
No outro dia de manhã aproveitamos o hotel e o Pacífico e passeamos por toda a grande e bonita orla marítima de Antofagasta. Comprei mais umas camisetas para calor muito baratas, almoçamos e fomos até a famosa “mano del desierto”, que fica a 70 km da cidade. Tiramos uma porção de fotos e depois de 3600 km iniciamos nosso retorno, voltando à Calama, onde pernoitamos.
O calor no deserto nesse trecho ida e volta entre SPA/Calama e Antofagasta foi escaldante. Mesmo com protetor solar da Niasi fator 30 descascou duas vezes o nariz. Ficou bem feio.
Ficamos em um pequeno hotel próximo a entrada do aeroporto, por cerca de R$ 60,00.
Procurei nos seis postos de combustível da cidade e só tinha óleo para moto dois tempos. A cidade praticamente também não tem motocicletas. Somente consegui trocar o “aceite para moto” em Jujuy, mas ainda bem antes dos 5000 km recomendados.

22 – Calama – Purmamarca – 500 km
Levantamos bem cedo (as 7:00 da manhã ainda é noite) e partimos para San Pedro de Atacama. Encontramos lá um casal de Curitiba, bem idosos, num Uno Mille meia vida, procurando um local arqueológico. Muito simpáticos.
Abastecemos, mascamos folha de coca e subimos para 4.250 de altitude. Conheci um colega no encontro de motociclistas que ocorre toda sexta-feira no centro cívico em Curitiba que tinha viajado ao Chile com uma Shadow carburada, e ao saber que pretendia ir de Lander mostrou preocupação, já que sua moto 600cc “perdeu marchas” (quem anda de moto em altitude sabe o que significa), chegando a 1ª marcha nesse aclive de 50 km. A valente XTZ250 subiu em 3ª marcha.
Foi lindo o deserto na volta. Pudemos curtir muito mais do que na ida. Principalmente o Paso de Jama.
Depois da aduana Argentina pegamos ventos favoráveis e a moto fez 40 km/l.

23 – Purmamarca – Joaquin V Gonzalez – 320 km
Depois da experiência de subir e agora descer os Andes do lado argentino, anoitecemos perto de Purmamarca e negociamos um excelente hotel a beira da estrada, que ficou de R$ 175 por R$ 125,00 para casal. Foi o melhor hotel que já fiquei até hoje, contando ainda com um visual maravilhoso.
Utilizei um dos agasalhos que minha esposa fez no Brasil nessa noite, para não voltar sem ser usado. Ao jantar em um restaurante de estrutura simples novamente ficamos surpreendidos com a qualidade do atendimento e da refeição. Tivemos um grupo típico andino, com seus instrumentos e sua voz fazendo um verdadeiro show para os frequentadores, que pasmem, eram três casais de Santa Catarina, três da Argentina e um da holanda. Trocamos e-mail.
Depois um um confortável sono, atravessamos o leito do rio (seco nesse época) que corre atrás do hotel, que parecia ter 200 metros de largura, e que na verdade tinha mais de 600 metros. Perde-se a noção de distância devido a altitude da cordilheira. Os cactos que parecem ter um metro chegam a 5 metros de altura.
Passeamos por estrada no interior da cidade e a Márcia comprou algumas blusas de lã bolivianas por R$ 20,00 cada para usar no Brasil. Com certeza somente deveríamos ter levado a roupa do corpo. Saindo ao meio dia de Purmamarca, pegamos nuvens na descida de Vulcon. Não era chuva, mas nuvens que o vento empurrava contra os Andes. Molhava e não chovia. Experiência fantástica atravessar nuvens de Lander. Almoçamos grandes pedaços de carne com papas (batata) no restaurante de um posto e trocamos de “azeite” na moto e partimos em direção ao chaco Argentino.

24 – Joaquin V Gonzalez – Ituzaingó (100 km de Corrientes) – 720 km
Essa é a ultima cidade com hotéis antes do trecho mais pobre do chaco argentino, onde em uma distância de mais de 400 km somente se encontra 4 postos de combustível, e que ainda somente tem gasolina mais cara, a super, e algumas vezes com o preço da Fangio. Notei que a Lander foi mais econômica com a nafta comum, de 85 octanas, (em media R$ 1,55) parecida com a Brasileira. As vezes que abasteci com a Super (95 octanas = R$ 1,80) não notei melhoria de desempenho e parece que aumentou o consumo. A gasolina Fangio, (100 octanas = R$ 2,10) que é melhor ainda, nem me atrevi a colocar.
Ficamos em um bom hotel por R$ 50,00 (ar condicionado) e comemos frutas e sucos que compramos em um mercado. Tanto na Argentina como no Chile usamos cartão de crédito Visa na maioria dos lugares.
Vários postos de combustíveis na Argentina tem ao seu lado locais para descanso, contando muitas vezes com churrasqueiras. Como esses postos possuem vendas de conveniências, fica muito prático conseguir lugar para pernoitar de barraca. Isso também é facilitado porque grande parte dos atendentes dos postos de combustíveis na Argentina são motoqueiros, geralmente proprietários de uma motocicleta dois tempos. Tem tantas dessas motos por lá que os postos tem até uma bomba de gasolina já misturada com óleo. Os motoviajantes são muito bem vindos por lá, mas os Argentinos são um povo bastante ordeiro, sendo assim necessário que seja mantido o respeito que os motoqueiros brasileiros dão aos irmãos argentinos.
Fizemos o maior trecho de viajem em um único dia, 720 km.

25 – Ituzaingó - FU – 420 km
Pernoitamos em um local de pescadores na área rural de Ituzaingó, dirigido pela proprietária, uma simpática idosa. Muito bonito e barato. Passamos por Posadas e nos dirigimos a Foz do Iguaçu, encontrando vários motoviajantes em direção ao Atacama. Registramos nossa alegria de estar no Brasil novamente, ficando duas noites em Foz do Iguaçu.
Aumentou muito a quantidade de motos em Ciudad Del Leste. Lá se compra uma cópia chinesa da CG150 por R$ 1.900,00 e da Bros 150 por pouco mais de 2.000,00. O motor completo de uma moto 250 CC em V, refrigerado a água (motor, caixa, carburador e radiador) a venda por 700 dólares. Uma moto trail 400 CC refrigerada a água por dois mil e trezentos dólares. Abriram dezenas de motopeças nos últimos meses.

26 – FU - O mesmo capacete que adquiri em Canoinhas, com proteção de pescoço anexa para chuva e frio por R$ 270,00 custava R$ 60,00 em Ciudad del Leste. Comentei que precisei comprar no Brasil devido ao selo do Immetro e a vendedora disparou “me de dois dólares e eu te arranjo um selo do immetro”... pode.
Um traje de cordura topo de linha (três vezes mais resistente que o couro contra abrasão, com todas as proteções de cotovelo, ombro, coluna, entradas de ar para dias quentes, uma porção de bolsos práticos, com proteção contra chuva e proteção térmica contra frio (este ultimo podendo ser retirado nos dias quentes) por R$ 450,00 completo (calça e jaqueta). Encontra-se outros de boa qualidade bem mais baratos. Alforges e bauletos também são bem mais baratos.

27 – FU - Chas 600 km
Encontramos um motoviajante de Itajuba, que comprou agora sua Suzuki Boulevard 800 e estava viajando até o Rio Grande do Sul. Chegamos em casa com muita saudade. Fechou 6.756 km até o novo posto contestado.

Tem algumas fotos da motoviagem mais abaixo neste post

Observação: Essa viagem eu fiz com minha esposa como segunda lua de mel. Os custos que aparecem podem ser bem mais reduzidos.

Qualquer informações adicionais é só pedir.


Maquinas:
Yamaha DT180 - Cagiva Agrale 27.5 - Yamaha DT180 - Suzuki Savage LS650 - Yamaha XTZ 250 Lander - Suzuki Bandit 1250 N - BMW GS650G

_________________
Um homem precisa viajar. Por sua conta e não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por sí, com seus recursos para entender o que é seu. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar a arrogãncia que nos faz ver o mundo como imaginamos, e não como ele é. Que nos faz Prof e Dr do que não vimos, quando deveriamos ser alunos e, ir ver. AK


Editado pela última vez por lacowicz em Qua Jul 31, 2019 9:38 am, em um total de 10 vezes.



Sex Out 08, 2010 11:47 am
Perfil
Hiperlander
Avatar do usuário

Registrado em: Sáb Jul 19, 2008 7:49 pm
Mensagens: 1196
Localização: São Paulo - SP
Sexo: MASCULINO
Moto: Outros Modelos
Marca de Capacete: preencher no perfil
Nossa, já tenho uma leitura pra hj a noite!! :p :dancing:
:ok:

_________________
"Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida."

Imagem

http://www.ebersongomes.blogspot.com - Do Samba ao Tango em Duas Rodas


Sex Out 08, 2010 12:19 pm
Perfil ICQ
XTZinha
Avatar do usuário

Registrado em: Qua Abr 14, 2010 9:51 pm
Mensagens: 81
Moto: Yamaha XTZ 250 X Preta/Vermelha
Parabéns pela viagem, vou ler com calma... e isso servirá muito para minha próxima viagem. :vee:


Sex Out 08, 2010 2:09 pm
Perfil
Velha Guarda

Registrado em: Qui Set 25, 2008 9:23 pm
Mensagens: 1170
Localização: Salvador - Ba
Sexo: MASCULINO
Moto: A pé - Por enquanto!
Marca de Capacete: LS2
Parabéns pela viagem... eu e minha esposa estamos comessando a fazer as nossas... esse fim de semana mesmo fizemos 1700km na nossa moto (uma cb300).... depopis posto o relato pro pessoal ver como foi.... pra variar hilária :lol:

_________________
"O inferno é perder o controle apesar do poder. O paraíso é manter o controle apesar do medo"


Qua Out 13, 2010 11:20 am
Perfil
Microlander
Avatar do usuário

Registrado em: Ter Out 06, 2009 9:40 pm
Mensagens: 246
Localização: Canoinhas - SC
Sexo: MASCULINO
Moto: Outros Modelos
Marca de Capacete: LS2 386 Matt Black
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Tem mais fotos mais abaixo nesta página.

_________________
Um homem precisa viajar. Por sua conta e não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por sí, com seus recursos para entender o que é seu. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar a arrogãncia que nos faz ver o mundo como imaginamos, e não como ele é. Que nos faz Prof e Dr do que não vimos, quando deveriamos ser alunos e, ir ver. AK


Editado pela última vez por lacowicz em Qui Nov 04, 2010 9:39 am, em um total de 2 vezes.



Qui Out 21, 2010 9:54 am
Perfil
Velha Guarda

Registrado em: Qui Set 25, 2008 9:23 pm
Mensagens: 1170
Localização: Salvador - Ba
Sexo: MASCULINO
Moto: A pé - Por enquanto!
Marca de Capacete: LS2
ainda vou ter umas fotografias iguais a essas.....

_________________
"O inferno é perder o controle apesar do poder. O paraíso é manter o controle apesar do medo"


Qui Out 21, 2010 12:34 pm
Perfil
Superlander
Avatar do usuário

Registrado em: Qui Jul 31, 2008 11:06 pm
Mensagens: 827
Localização: lost island neighbourhood
Moto: Yamaha Lander Preta
já copiei o texto para ler mais tarde offline....
deve ter sido uma viagem maravilhosa!!!
vou ler e comento depois!

_________________
pilotando pelo prazer __________________________________ ... Proud to say that the fifth flag was acchieved!!!
Imagem


Qui Out 21, 2010 5:35 pm
Perfil
Microlander
Avatar do usuário

Registrado em: Sex Set 11, 2009 2:32 am
Mensagens: 320
Localização: Belo Horizonte - MG - Brasil
Moto: Yamaha Lander Preta
Companheiro, lacowicz; :ok:

Li todo o relato e seria legal + fotos...
Rapaiz, esse seu passeio serve de referência de muitos aqui, e vou utilizar algumas dicas sua, quero fazer uma passeio similar em breve.

Quero ressaltar a parte em que o Cara da Shadow "menospreza" nossos motores 250 cc, e vc comprovou a eficiencia da máquina no enorne aclive...rs

Grande abraço e boas estradas! :riding:

_________________
UP HIGHLANDERS !!!


Sáb Out 23, 2010 10:53 am
Perfil
Superlander
Avatar do usuário

Registrado em: Qui Jul 31, 2008 11:06 pm
Mensagens: 827
Localização: lost island neighbourhood
Moto: Yamaha Lander Preta
bacana o relato!!
seria legal, como o Vinicius disse, mais fotos, mas não liga, não... é que o pessoal do fórum é viciado em fotos mesmo!!!
um mapinha, mesmo simples, também ajuda a visualizar melhor... ninguém é de ferro... :lol: :lol:
pena foi perder tempo com peças. no mais, foi uma viagem super legal!!!
tem coisas naquela região que eu ainda não conheço!..
doideira essa do pinhão!!!! substituí o pinhão na última revisão e senti uma folga logo depois. o ideal é substituir a transmissão inteira antes da viagem. dá mesmo pra guardar a anterior para usar depois!
nos países vizinhos precisamos observar se a gasolina possui chumbo na sua composição, o que compromete o catalizador!!
quando for para as bandas do paraguai vou ter que fazer umas comprinhas por lá! conjunto calça-jaqueta pelo preço de uma das peças... tá dado!!!
por acaso naquele depósito de material militar não tinha nenhuma Zundapp???
o pessoal te pediu a carta verde? quando fui para argentina e uruguai não me pediram... e ainda mais, um sujeito me informou que motos até 250 não são obrigadas a ter.
parabéns pela segunda lua de mel!!!

_________________
pilotando pelo prazer __________________________________ ... Proud to say that the fifth flag was acchieved!!!
Imagem


Sáb Out 23, 2010 4:36 pm
Perfil
Microlander
Avatar do usuário

Registrado em: Ter Out 06, 2009 9:40 pm
Mensagens: 246
Localização: Canoinhas - SC
Sexo: MASCULINO
Moto: Outros Modelos
Marca de Capacete: LS2 386 Matt Black
Vinícius Teixeira escreveu:
Companheiro, lacowicz; :ok:

Li todo o relato e seria legal + fotos...
Rapaiz, esse seu passeio serve de referência de muitos aqui, e vou utilizar algumas dicas sua, quero fazer uma passeio similar em breve.

Quero ressaltar a parte em que o Cara da Shadow "menospreza" nossos motores 250 cc, e vc comprovou a eficiencia da máquina no enorne aclive...rs

Grande abraço e boas estradas! :riding:



Imagem
Grande Salar Argentino

Imagem
Leito de rio que corre durante o degelo mais ou menos 600 metros de largura

Imagem
Montanhas de pedras coloridas em Purmamarca

Imagem
Jujuy às 21:00 hs - Da-lhe compras

Imagem
Aos pés dos andes

Imagem
Missões jesuiticas na argentina

Imagem
Quebrada Humahauca

Imagem
Deserto Atacama

Imagem
Paso de Jama - 4.200 mts altitude - Tadinha

Imagem
Oceano pacífico - Cidade de Antofagasta

_________________
Um homem precisa viajar. Por sua conta e não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por sí, com seus recursos para entender o que é seu. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar a arrogãncia que nos faz ver o mundo como imaginamos, e não como ele é. Que nos faz Prof e Dr do que não vimos, quando deveriamos ser alunos e, ir ver. AK


Qua Nov 03, 2010 7:10 pm
Perfil
Microlander
Avatar do usuário

Registrado em: Ter Out 06, 2009 9:40 pm
Mensagens: 246
Localização: Canoinhas - SC
Sexo: MASCULINO
Moto: Outros Modelos
Marca de Capacete: LS2 386 Matt Black
Vinícius Teixeira escreveu:
Companheiro, lacowicz; :ok:

Li todo o relato e seria legal + fotos...
Rapaiz, esse seu passeio serve de referência de muitos aqui, e vou utilizar algumas dicas sua, quero fazer uma passeio similar em breve.

Quero ressaltar a parte em que o Cara da Shadow "menospreza" nossos motores 250 cc, e vc comprovou a eficiencia da máquina no enorne aclive...rs

Grande abraço e boas estradas! :riding:


:ok:

Imagem
Andes Chilenos = deserto

Imagem
4.000 mts Vulcão Lincabur

Imagem
Quem quiser ir no inverno, eh eh

Imagem
São 500 km entre 3000 e 4.250 mts de altitude e somente deserto, frio, muito sol e O2 rarefeito

Imagem
Lá tudo parece pequeno

Imagem

Imagem
Minha esposa merece comprar

_________________
Um homem precisa viajar. Por sua conta e não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por sí, com seus recursos para entender o que é seu. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar a arrogãncia que nos faz ver o mundo como imaginamos, e não como ele é. Que nos faz Prof e Dr do que não vimos, quando deveriamos ser alunos e, ir ver. AK


Qua Nov 03, 2010 7:18 pm
Perfil
Superlander
Avatar do usuário

Registrado em: Qui Jul 31, 2008 11:06 pm
Mensagens: 827
Localização: lost island neighbourhood
Moto: Yamaha Lander Preta
é, lacowicz, tua mulher merece comprar, principalmente depois do "sorocho" (pelo menso é assim que chamam no peru e bolivia o "mal das alturas"). o ruim de moto é que tem que comprar pouco e coisas pequenas, pois espaço é sempre muito limitado e peso sempre um problema!
tem aquela dica de levar roupas velhas para ir descartando ao comprar roupas novas dos locais visitados!
muito boas as fotos!!! gostei mesmo!!!! eu fico vidrado nestas regiões montanhosas!!!
estou querendo dar uma passada por estas terras também para ver estes cenários!!!! não vai ser agora, mas quem sabe sem muita demora.... já tenho mais uma lista de lugares para visitar!!! :D :D :D :ok:

_________________
pilotando pelo prazer __________________________________ ... Proud to say that the fifth flag was acchieved!!!
Imagem


Qua Nov 03, 2010 8:08 pm
Perfil
Velha Guarda

Registrado em: Sex Mai 02, 2008 8:23 am
Mensagens: 4589
Localização: Americana/SP
Sexo: MASCULINO
Moto: Yamaha XT 660R
Já vou ler o relato, mas essa foto tá fantástica !


Imagem

_________________
Imagem Imagem Imagem
____________Don't mess with the old school's.____________


Qua Nov 03, 2010 9:02 pm
Perfil Visitar website do usuário
Minilander
Avatar do usuário

Registrado em: Qui Out 11, 2007 7:13 pm
Mensagens: 521
Localização: Recife
Sexo: MASCULINO
Moto: Kawasaki Versys 650
Marca de Capacete: Shark S700, shark RSI shinto
Calvin essa foto dele ficou perfeita, ñ tenho palavras.


Qua Nov 03, 2010 11:42 pm
Perfil
Velha Guarda

Registrado em: Qui Set 25, 2008 9:23 pm
Mensagens: 1170
Localização: Salvador - Ba
Sexo: MASCULINO
Moto: A pé - Por enquanto!
Marca de Capacete: LS2
lucio_candido escreveu:
Calvin essa foto dele ficou perfeita, ñ tenho palavras.


Se fosse eu que tivesse tirado uma dessa, ia fazer um poster gigante. :applause: :applause:

andre escreveu:
é, lacowicz, tua mulher merece comprar, principalmente depois do "sorocho" (pelo menso é assim que chamam no peru e bolivia o "mal das alturas"). o ruim de moto é que tem que comprar pouco e coisas pequenas, pois espaço é sempre muito limitado e peso sempre um problema!


Rapaz... eu inventei um jeito de levar as coisas que da pra minha mulher carregar o guarda roupa na moto... Eu levo uma calça, uma bermuda, um short, um tênis 3 pares de meia, 3 cuecas, 3 camisas e ela é responsável em preencher as outras 3 malas.... isso tudo pra passar um fim de semana fora.... mas a melhor coisa a fazer é a gente mesmo arrumar a mala da mulher.... ela xinga a gente, mas é melhor assim heheheheh

_________________
"O inferno é perder o controle apesar do poder. O paraíso é manter o controle apesar do medo"


Qui Nov 04, 2010 9:17 am
Perfil
Exibir mensagens anteriores:  Ordenar por  
Responder   [ 99 mensagens ]  Ir para página 1, 2, 3, 4, 5 ... 7  Próximo

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante


Enviar mensagens: Proibido
Responder mensagens: Proibido
Editar mensagens: Proibido
Excluir mensagens: Proibido

Procurar por:
Ir para:  
Powered by phpBB® Forum Software © phpBB Group
Designed by ST Software for PTF.
Traduzido por: Suporte phpBB